linha top1
Universidade Federal de Roraima

Texto da Semana - 09/06/20 - Profa. Gisele Boucherville

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EDUCAÇÃO E COVID-19: APRENDIZAGEM EMERGENTE
Profa. Dra. Gisele Cristina de Boucherville
Curso de Gestão Territorial Indígena - Universidade Federal de Roraima

          Este texto tem como objetivo fomentar a discussão do momento ímpar no qual estamos vivendo e seus desencadeamentos na escola e na Educação. Debater o momento atual requer aceitar que nunca vivemos tamanho desafio, portanto os parâmetros para esta discussão estão ligados ao hoje e ao agora, fazendo-se novos e desafiadores. Parece me que este texto se identifica mais com uma crônica do que com um texto científico pela motivação imediata e a correlação com os acontecimentos atuais da vida cotidiana. Sendo assim, peço licença para dialogar.
          Com o isolamento social exigido a partir da pandemia do Covid 19, houve uma ruptura inesperada e muito traumática no ambiente educacional. Na educação pública, praticamente, foram paralisadas todas as aulas presenciais e até agora não sabemos como continuar a ensinar e a aprender. O sistema público que vivia sob um controle rígido de frequência, pontuação e avaliação, agora se vê em dificuldade. Alguns professores e pesquisadores do sistema público lutam para que o ensino e a aprendizagem continuem online e outros lutam para que essa modalidade não seja aceita. No ambiente privado, mantiveram-se as aulas sob a forma do ensino a distância, com tecnologias virtuais, enquanto os alunos de instituições públicas permanecem com seu horizonte incerto quanto ao semestre e mesmo ao ano.
          Apesar de parecer simples essa análise traz dados relevantes que devem ser examinados sob três aspectos: a conexão, a disponibilidade e o acesso.
          A conexão se faz a partir de fios, cabos, cabos submarinos, fibras ópticas, via rádio ou por satélite. De acordo com o Speedtest, a velocidade média de download da internet banda larga no Brasil é de 22,09 Mbps. A média global é de 45,48 Mbps. O Brasil se encontra na 73ª posição de conexão.
          A rede está disponibilizada em 2G (Gigabits), 3G, 4G. Estima-se que a rede 2G esteja disponível para 96% da população mundial, a 3G está disponível em 78% do mundo. Por motivos econômicos, políticos e operacionais 1,6 bilhão de pessoas não têm nenhuma cobertura de banda larga (3G ou 4G).
          O acesso à internet de modo externo (hardware) consiste em um computador que se interliga a outros computadores que se conecta a uma rede maior. O modo de comunicação do computador é baseado no endereço de IP (Internet Protocol). Este IP é o endereço que cada ponto de rede tem. Para elucidar esse pensamento visualizamos que cada ponto da rede, formado pelos computadores e seus IPs constroem o que chamamos de “teia de redes”, pois ao examinar os gráficos de acesso os pontos de rede se ligam em uma grande cadeia parecido com uma teia de aranha.
Para se falar de acesso é importante citar as informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua - Tecnologia da Informação e Comunicação (PNAD Contínua TIC) 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que estimou o crescimento do uso do celular para acessar a internet, apontando os aparelhos celulares como principal meio de acesso à rede no país.
          O Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) divulgou que três em cada quatro brasileiros têm acesso à internet, sendo o celular o equipamento mais usado. Cerca de 70% da população tem acesso à internet, isso equivale a 126,9 milhões de Brasileiros das classes A, B, C, D, E.
          Em março de 2020 o Ministério da Educação (MEC) publicou a portaria autorizando a modalidade de ensino a distância para os cursos presenciais de todo Brasil, ressaltando que a qualidade das aulas deve ser mantida, mas especialistas e reitores das Universidades Federais ficaram temerosos com a possibilidade de nem todos os alunos terem acesso e disponibilidade de rede para fazer atividades online prejudicando e infringindo os direitos dos estudantes que não optaram pela modalidade de ensino a distância.
          A portaria publicada pelo MEC na quarta-feira, 18 de março, autorizou as aulas transmitidas de maneira remota. O MEC comunicou que as instituições devem se preparar que para a oferta a distância, mas, ainda assim, assistimos a um momento difícil na Educação. A espera do retorno às aulas presenciais deixa nos impotentes.
          Me lembro e estou me lembrando muito desse livro ultimamente: Quem mexeu no meu queijo. Foi um best-seller dos anos 80 ou 90 cuja moral se dá no aprendizado de que esperar para agir pode ser perda de agilidade e, de certa forma, perda de competências. Nesse livro o protagonista é um rato que sempre comia o queijo no mesmo lugar. Um dia o queijo lhe foi tirado. Colocado em um outro local próximo, mas o rato não sabia onde estava o queijo, teria que procurá-lo, mas insistentemente o rato voltava várias vezes no mesmo local e sempre aguardava que o queijo estivesse lá, deixando de procurá-lo.
          É assim que nos percebo hoje, voltando insistentemente ao mesmo lugar para achar o nosso queijo, deixando de procurá-lo em locais diferentes. Cada dia que passa é um dia perdido na impotência de uma ação cancelada porque estou esperando.
          Penso que devemos entender que as coisas mudaram e mudaram hoje, resolver, se possível for, o dia de hoje! Antecipar problemas é gerar estresse de algo que não sabemos como nem quando vai acontecer. Viveremos um dia depois o outro. Esse é um grande aprendizado! As possibilidades e catástrofes são muitas, mas devemos, para nosso bem, nos manter no presente!
          Argumentos, defesas, teses, teorias são muitas e isso nos deixa apreensivos! Tenho falado isso com os alunos e amigos... se o Corona nos forçou a alguma coisa foi a enfrentar nossa realidade presente! Viver o dia de hoje é agradecer por estar vivo.

Referência

BRASIL. Educação conectada. Ministério da Educação. http://educacaoconectada.mec.gov.br/ Acesso 20 de maio de 2020.
OOKLA. Tracking COVID-19’s Impact on Global Internet Performance (Updated May 19). https://www.speedtest.net/insights/blog/tracking-covid-19-impact-global-internet-performance/#/ Acesso 20 de maio de 2020.
SPENCER, J. Quem mexeu no meu queijo. Tradução de Maria Clara de Biase \u2013 32ª Ed. \u2013 Rio de janeiro: Record, 2002.
STEERING COMMITTEE. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nos Domicílios Brasileiros. https://cetic.br/media/docs/publicacoes/2/12225320191028- tic_dom_2018_livro_eletronico.pdf. 20 de maio de 2020.