Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Curso de Música completa sete anos

Publicado: Quinta, 19 de Novembro de 2020, 10h46 | Última atualização em Segunda, 23 de Novembro de 2020, 09h21

O Dia dos Músicos é comemorado todo 22 de novembro no Brasil. Na Universidade Federal de Roraima (UFRR) a data, que coincide também com o Dia da Música, é sempre lembrada desde 2013, quando foi criado o curso de licenciatura em Música.

Esta licenciatura está incorporada à estrutura do Centro de Comunicação Social, Letras e Artes Visuais, com as atividades de ensino, pesquisa, extensão e administrativa acontecendo em seu próprio bloco, no campus Paricarana.

O curso tem atualmente 10 professores, estando um deles afastado para qualificação e um outro em processo de aposentadoria. São 153 alunos ativos, de acordo com dados do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa). Nos sete anos de existência da licenciatura, 13 alunos já se formaram.

De acordo com o professor Rafael Friesen, coordenador do curso de Música, diversos desafios foram superados desde a criação desta licenciatura na UFRR, como a conquista do espaço físico próprio e a estruturação em termos materiais e pedagógicos.

“Dificuldades como essas já foram um problema maior, sendo que atualmente temos nota máxima junto ao MEC (único na região Norte), um espaço físico adequado às nossas demandas, equipamento que atende à maioria de nossas necessidades e já estamos conseguindo encaminhar alunos para atuarem fora do âmbito da universidade. A qualificação dos professores também é um ponto positivo, pois estima-se que em fevereiro de 2021 todos os professores do curso já sejam mestres ou doutores”, afirma Rafael.

Sobre a importância do curso de Música para Roraima e para a região Norte, o professor acredita que a licenciatura preenche uma lacuna na formação de docentes especializados nesta área.

“Sem isso, o comum é encontrar professores de outras áreas atuando de forma polivalente, ou seja, quando a escola precisava ensinar música, quem lecionava era um professor de outra disciplina, mas que tinha algum conhecimento amador de música. Isso, naturalmente, é bastante limitador na formação dessa área”, explica.

O curso desenvolve diversos projetos, mas neste ano, por conta da pandemia de Covid-19 e do necessário distanciamento social, as ações não foram tão intensas. Na área da extensão, por exemplo, os docentes promovem concertos, palestras, oficinas entre outras ações, com especificidades diversas. “Pesquisas também ocorrem de formas diversas, sendo que cada uma das que está cadastrada costuma estar adequada ao perfil dos professores que atuam nela”, diz o coordenador do curso.

registrado em:
Fim do conteúdo da página