Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

PRAE - Pesquisa comprova benefícios das bolsas pró-acadêmico na vida pessoal, profissional e estudantil na UFRR

Publicado: Sexta, 28 de Dezembro de 2018, 19h25 | Última atualização em Sexta, 28 de Dezembro de 2018, 19h45

O projeto de intervenção “Análise avaliativa da Bolsa Pró-acadêmico e da Assistência Estudantil”, elaborado pelas alunas do curso de Serviço Social da Universidade Paulista (Unip), Loiremi Mesquita Bastos e Maria de Fátima Alves, realizou um levantamento da opinião dos discentes da Universidade Federal de Roraima (UFRR) beneficiados pela Bolsa Pró-acadêmico. 

As pesquisadoras foram estagiárias no setor de Serviço Social da Pró-reitoria de Assuntos Estudantis e Extensão (Prae), no período de 2017 a 2018, no qual foram supervisionadas pela Assistente Social, Evicaline dos Santos Rocha. 

O questionário virtual foi enviado para o e-mail dos alunos no período de 15 de agosto a 05 de setembro de 2018. A proposta do projeto era verificar o impacto da bolsa na vida acadêmica, pessoal e profissional dos estudantes de graduação da UFRR, bem como analisar a atuação da Prae e contribuir para a melhoria da Assistência Estudantil na instituição. 

Segundo as pesquisadoras, a escolha pela Bolsa Pró-acadêmico surgiu pelos seguintes motivos: número expressivo de discentes beneficiados; a exigência de contrapartida para acesso ao benefício e pela utilização do método de seleção e avaliação (módulo de assistência ao estudante/SIGAA) aliado às entrevistas sociais. 

Resultados: 87% dos alunos que responderam a pesquisa destacam que o benefício é útil. Para 37% dos entrevistados, a bolsa interferiu positivamente no desempenho acadêmico. 77% dos alunos salientaram que o benefício é utilizado para meios de sobrevivência (contas básicas mensais); 62% disseram que o recurso contribui para a manutenção das despesas acadêmicas e 53% afirmam que o valor contribui para sanar as despesas familiares. Para 71% dos discentes, a virtualização do processo seletivo e as entrevistas sociais foram benéficas por facilitar a questão da mobilidade dos estudantes. 

Sugestões: O questionário online concedeu a oportunidade dos alunos comentarem com sugestões, críticas e elogios a respeito das ações da Prae/UFRR. Dentre as sugestões, os alunos solicitaram o reajuste no valor das bolsas; redução nos atrasos de pagamento; prorrogação do período da Bolsa; dificuldades em conciliar a carga horária da Bolsa (20h semanais) com as do curso. 

Críticas: Os acadêmicos atendidos pela Bolsa Pró-acadêmico criticam o envio dos mesmos documentos à plataforma do SIGAA (repetição); Atrasos no recebimento da bolsa e melhorias no Sistema. 

Segundo a Assistente Social da Prae, Evicaline dos Santos, a pesquisa foi importante para a instituição, pois permitiu que a UFRR tivesse um panorama da perspectiva dos alunos a respeito da Bolsa. De acordo com a profissional, muitas das questões levantadas pelos alunos durante a pesquisa já foram sanadas. “Algumas sugestões dos alunos, como a possibilidade de acumular bolsas, articulação com supervisores para que possa receber bolsistas em dias/horários fracionados, fortalecimento do trabalho de acompanhamento aos bolsistas com baixo desempenho acadêmico e a seleção para os auxílios associado às entrevistas sociais já foram solucionadas. Outras já estão em processo de melhorias como o aprimoramento do sistema de seleção e avaliação e a articulação entre as pró-reitorias para minimizar possíveis  atrasos das bolsas”, disse. 

Para o Pró-reitor de Assuntos Estudantis e Extensão da UFRR, professor Vladimir de Souza, a pesquisa mostra que o processo de inclusão dos alunos de baixa renda com a concessão das Bolsas do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes) é atualmente uma realidade na Universidade.  

“O estudo feito pelas alunas demonstra que sem esta Bolsa, muitos alunos abandonariam ou adiariam a conclusão dos seus estudos. O processo ainda passa por adequações e apresenta problemas pontuais, como o atraso das bolsas, que está relacionado diretamente ao repasse dos recursos do Governo Federal. Sobre as documentações, esta é uma das regras exigidas pelos órgãos de controle, como a Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) até para tornar o processo mais transparente, evitando fraudes ou injustiças”, ressaltou. 

O Serviço Social da UFRR está disponível na sala 409, bloco IV, campus Paricarana.

registrado em:
Fim do conteúdo da página