Governo Federal

Mini-cursos dos dias 01/10 a 02/10.

MC1 - 30 anos? As presenças e as ausências dos Povos Indígenas nas Constituições Brasileiras 

Coordenador: Me. Eliaquim Timóteo da Cunha

Resumo: O debate se faz relevante na medida em que expõe temas da presença indígena na formação do Brasil, a formação de alteridades e o pensamento social brasileiro sobre os direitos dos povos indígenas. Outro quesito da relevância é debatido no tocante as fontes de pesquisa. É preciso discutir sobre o acesso e amadurecer as leituras críticas dos acervos sobre o temário em tela.

MC2 - Crise da democracia, golpes e resistência popular na América Latina.

Coordernadores: Me. Amarildo Ferreira Júnior (IFRR) e Dr. Tony Leão da Costa (UEPA)

Resumo: Este minicurso objetiva apresentar e refletir acerca das recentes experiências sociais concretizadas na história política e cultural latino-americana e caribenha, além de perscrutar analiticamente os processos de golpe em curso na região – seus fatores motivadores, suas agendas e seus efeitos –, e os respectivos movimentos de resistência popular, colocando ênfase no desafio democrático atualmente imposto ao continente e nas ações políticas que nos permitam compreendê-lo e nele intervir.

São cinco os tópicos principais do minicurso: (1) Formulações da categoria “golpe”. (2) Democracia e crise na América Latina e Caribe no século XXI. (3). Novas formas de golpe de Estado na América Latina e Caribe. (3) Geopolítica dos golpes e ofensiva restauradora neoliberal. (5) Conflitos, movimentos sociais e resistências.

MC3 - Violência e Mídias: os povos indígenas e a Igreja Católica, entre a ditadura e a democracia em Roraima (1976 e 1996).

Coordenadores: Me. Paulo Sérgio Rodrigues da Silva e Dr. Jaci Guilherme Vieira.

Resumo: Novos projetos econômicos para a Amazônia depois da intervenção e tomada de poder pelos militares em 1964. Os povos indígenas neste contexto e o papel exercido pela igreja católica no contorno das fronteiras do extremo Norte neste processo. A Igreja de Roraima um estudo de caso. Os indígenas e a mídia em Roraima.

MC4 - A polifonia das narrativas: História pública e ensino de História, um campo de diálogos e controvérsias.

Coordenadora: Dra. Leonara Lacerda Delfino (UNIMONTES)

Resumo: O presente minicurso tem por objetivo discutir sobre as possibilidades de diálogos entre história pública e o ensino de história, junto aos seus desafios, disputas e controvérsias no tempo presente. Nesse sentido, pretendemos refletir as relações, muitas vezes tensas, entre história e representações midiáticas, bem como seus usos e instrumentalização pedagógica “dentro” e “fora” do espaço escolar.

MC5 - O método das lutas políticas dos anos 80 e o desmonte destas via Reação Democrática.

Coordenador: Dr. Fernando Sérgio Damasceno

Resumo: O contexto das lutas operárias de 1978 a 85. O ascenso dos movimentos populares e as lutas diretas. As transformações sociais e o fim da ditadura. A luta de classes e as respostas burguesas. O papel do PT e CUT na construção das lutas e sua posterior degeneração com as conciliações. O ascenso operário iniciado com a greve da Scanea em 1978 levou a confiança do movimento operário brasileiro na luta pela derrubada do regime ditatorial; o fortalecimento desse movimento ampliou os mecanismos das lutas diretas e classistas, abrindo-se espaço para a tomada de poder pelos trabalhadores. O resultado disso foi enfrentamento operário ao capital nunca visto no país até então. Esse enfrentamento criou duas instituições de luta, quais sejam, a CUT e o PT. Mas estas logo foram “domesticadas” pela política de institucionalização das lutas, proporcionada pela Reação Democrática, que adaptou ao Brasil a política de Jimmy Carter, EUA. Com isso, a luta operária é canalizada para as instituições burguesas, o que representou desmonte da luta classista e levou o país à nova governabilidade burguesa

MC6 - Brasil e Democracia em tempos de crise: direitos, mídia e política.

Coordenadores: Dr. Edgar Souza Santos e Me. Marcos Antônio de Oliveira (IFRR)

Resumo: Tendo em vista que a atual situação política e social do país, tem vivenciado a quebra de direitos conquistados a partir da Constituição de 1988 e, sofrido interferências midiáticas pelas ações de Empresas de Comunicação, com o objetivo de instaurar  Estado neoliberal radical, apoiado pelo judiciário, a partir de um discurso unilateral que tem impedido visões divergentes dentro do debate político, tornando a reflexão e o contra discurso, impossibilitados de ocorrerem. Acreditamos ser necessário fazer da Universidade, um espaço de debate e reflexão e, assim, estabelecer um ambiente democrático mais real e verdadeiro.

- A Democracia e suas interpretações;

- A ameaça dos direitos indígenas e dos trabaalhadores;

- A mídia e sua função social na atualidade

MC7 - História, poder e suas manipulações: um estudo de caso.

Coordenadores: Me. Fábio Luiz de Arruda Herrig e Me. Jimmy Iran dos Santos

Resumo: O presente minicurso tem como proposta abordar aspectos da construção das nacionalidades e a consequente manipulação da História e os aspectos teóricos, referentes ao Linguist Turn, e a consequente compreensão de que no processo de produção do conhecimento histórico há um lugar, uma prática e uma escrita, como bem demonstrou Michel de Certeau e seu conhecido texto “A operação historiográfica”

 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- 

Mini-cursos dos dias 03/10 a 04/10

MC8 - Introdução ao Estudo do Estado

Coordenador: Me. Tiago Siqueira Reis

Resumo: O Minicurso tem por objetivo apresentar e discutir de maneira introdutória o debate sobre o estudo do Estado capitalista. A proposta consiste em apresentar as principais correntes teóricas e apontar caminhos metodológicos para a pesquisa acerca do Estado. Estudar o Estado é investigar as múltiplas relações de poder, compreender a dinâmica das políticas públicas e, sobretudo os conflitos de classe e suas frações de classe, constituindo uma temática fundamental para a produção histórica.

MC9 - As Rebeliões Populares na América Portuguesa.

Coordenador: Dr. Gefferson Ramos Rodrigues (UFOPA)

Resumo: O minicurso irá discutir a atua As rebeliões populares na América portuguesa ção de grupos populares nas rebeliões da América portuguesa entre os séculos XVII-XVIII, tema pouco frequentado entre os estudiosos no Brasil, em uma perspectiva de conjunto. No minicurso serão discutidas a historiografia brasileira dedicada ao assunto e a alguns estudos de caso que marcaram a luta de índios, escravos e homens pobres livres no Brasil, a exemplo da “Guerra dos Bárbaros” no Nordeste (1676-1692), a rebelião escrava de Camamu na Bahia (1691) e os “Motins do sertão” em Minas Gerais (1736).

MC10 - A fronteira como campo de estudo da História e da Sociologia.

Coordenadora: Dra. Alessandra Rufino Santos (UFRR)

Dadas as transformações do sistema capitalista de produção, sobretudo, a partir do século XIX, novos fenômenos sociais foram surgindo como consequência da reorganização social e exigindo novas interpretações. O conceito de fronteira, por exemplo, passou pelas transformações decorrentes do sistema capitalista de produção. Nesse âmbito, desenvolver uma discussão em torno da fronteira como campo de estudo da História e da Sociologia é tarefa fundamental para refletir sobre a singularidade das regiões de fronteira em termos de tempo, espaço, fluxos, controles e representações, apontando para a importância de pensar a fronteira como conceito histórico e sociológico em profunda articulação com outras áreas de conhecimento devido abordar uma discussão interdisciplinar. A partir dessas considerações, é possível inferir que a fronteira abrange o estabelecimento de relações distintas que facilitam a existência de um intercâmbio cultural, social e político que contribui para que a diferenciação entre o “eu” e o “outro” seja perceptível. Dessa maneira, no espaço fronteiriço tanto a identidade quanto a alteridade configuram as relações sociais que envolvem um processo de contradições e ambiguidades que podem ser identificadas através do surgimento da diferença.

MC11 - Visualidades Amazônicas.

Coordenadores: Dr. Maurício Elias Zouein (UFRR) e Dra. Lisiane Machado Aguiar (UFRR)

Resumo: O minicurso problematiza a função estética na construção da identidade imagética da Amazônia brasileira, focalizando a semiotização provocada por meio dos dispositivos midiáticos das visualidades no processo de representação social e cultural da realidade amazônica. Debate os processos de subjetivação histórica e seus atravessamentos, seja pela diversidade da materialidade (iconografia), visuais e audiovisuais; seja pela paisagem subjetiva que eles geram (iconologia). Abrange estudos sobre os signos e as representações instauradas pelas linguagens visuais e audiovisuais através do modelo histórico/semiótico

MC12 - Aborto no Brasil: para além do moralismo, uma questão de biopoder e sujeição dos corpos.

Coordenadora: Sophia Moura - Graduada em Direito (UFRR)

Resumo: Este Minicurso tem pretende apresentar a visão foucaultiana sobre o poder e como esse poder, presente em todo o tecido social, dialoga com muito mais facilidade na estratégia estatal de sujeição dos corpos, dentre eles, um em especial, o corpo feminino, pela sua capacidade de reprodução, mesmo que para isso os conceitos de vida e morte, relativos “de per si”, tenham que ser usados nesse jogo de poder de maneira autoritária e com aparência de absolutos, definindo-se os corpos, ao longo da história ocidental, a partir de conveniências, numa sofisticada instrumentalização da relação possível entre norma jurídica, Direito e moral, reforçando-se, por meio das normas e de quem.

MC13 - Inventários e documentação: patrimônio imaterial em perspectiva.

Coordenadoras: Me. Larissa Maria de Almeida Guimarães (IPHAN) e Me. Fernanda de Castro Barbosa (FUNAI)

Resumo: Temos como principal proposta traçar uma linha de constituição do campo do patrimônio no Brasil, com ênfase no patrimônio cultural de natureza imaterial, enquanto possibilidade de reconhecimento de bens culturais referenciais, a partir de diferentes narrativas, partindo de pressupostos normativos nacionais e internacionais, e as novas fases de políticas e efetivação de ações, observando as potencialidades deste conceito quando instrumentalizado por comunidades e grupos sociais historicamente marginalizados, detentores de referências culturais significativas.

MC14 - Uma breve história dos evangélicos brasileiros.

Coordenador: Dr. Eduardo Guilherme de Moura Paegle (IFRR/CBVZO)

Resumo: O presente minicurso busca introduzir abordagens relacionadas a história dos evangélicos brasileiros. Considerando que o campo evangélico brasileiro foi historicamente construído de forma plural e englobam as diversas denominações reformadas, pentecostais e neopentecostais, além de evangélicos sem denominação, o minicurso pretende apresentar uma visão panorâmica sobre os referidos grupos.

ORGANIZAÇÃO:
APOIO: