linha top1
Universidade Federal de Roraima

Éon Arqueano

Antes chamado de Arqueozoico ou Arcaico, no Éon Arqueano não se conhecem fósseis de eucariontes. Apesar disso, eles devem ter evoluído durante o Arqueano e simplesmente não ter deixado quaisquer fósseis.


O Éon Arqueano está compreendido entre 4,0 e 2,5 Ba. É subdividido em quatro Eras: Eoarqueano (4 a 3,6 bilhões anos atrás), Paleoarqueano (3,6 a 3,2 Ba), Mesoarqueano (3,2 a 2,8 Ba), Neoarqueano (2,8 a 2,5 Ba). Neste Éon, o meio físico da Terra foi marcado por grande atividade tectônica e fluxo de calor três vezes maior que o atual. Também durante este tempo, a crosta da Terra se resfriou o suficiente para que as rochas e placas continentais começaram a se formar.


Os fósseis mais antigos datam de aproximadamente 3,5 bilhões de anos atrás, e consistem de microfósseis de bactérias. Na verdade, toda a vida durante os mais de um bilhão de anos do Arqueano foi bacteriana. O éon Arqueano foi a casa de colônias de bactérias fotossintetizantes chamados estromatólitos (Fig. 1). Os estromatólitos aumentaram em abundância em todo o Arqueano, formando “tapetes” que ficaram preservados até hoje.
 



Figura 1: Estromatólitos vivos em Hamelin Pool, que fica em Shark Bay, Noroeste do estado de Western Austrália, em formato de colunas. Estima-se sua idade entre 3 e 4 mil anos.
 

 

Bibliografia Consultada:
CARVALHO, I. S. Paleontologia: conceitos e métodos. 3ª ed. Rio de Janeiro: Interciência, 2010.
COIMBRA, J. C. [et al.]. Antes dos dinossauros: a evolução da vida e o seu registro fóssil no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: UFRGS, 2004.
MENDES, J. C. Paleontologia Básica. Queiroz: Editora da Universidade de São Paulo, 1988.

Referências Eletrônicas:
http://www.ufrgs.br/paleodigital/, acessado em 26 de novembro de 2012 às 13h.

Referência Eletrônica da figura:
Figura 1: http://www.ipaq.org.br/, acessado em 03 de janeiro de 2013 às 14h.